PR 15 – Trilho do Ramil

Here you can create the content that will be used within the module.

Tipo de Percurso

Pequena Rota

Distância

4.39km

Duração

2h

Dificuldade

Fácil

TRACK GPS DO PERCURSO

DOWNLOAD: GPX  | KML

h

BROCHURA OFICIAL

DOWNLOAD: PDF

O trilho de Ramil é um percurso pedestre denominado de Pequena Rota, cuja marcação e sinalização cumprem as diretrizes internacionais. Este percurso localiza-se na encosta nascente da Serra do Soajo, no extremo Este do concelho de Arcos de Valdevez, em pleno Parque Nacional Peneda-Gerês, percorrendo parte significativa do lugar de Cunhas, da freguesia do Soajo.

Continuar a ler...

Partindo do parque de estacionamento junto ao cemitério do lugar de Cunhas, seguimos pela estrada alcatroada em direção ao núcleo rural, para passados cerca de 200 metros, virarmos à esquerda por um caminho empedrado. Este caminho ascendente leva-nos, pouco a pouco, a entrarmos nas áreas de floresta e pastagens de montanha que envolvem e servem o pequeno lugar. À medida que vamos tomando altitude, podemos observar a imensidão da paisagem que nos rodeia, o vale encaixado do rio Lima – esse rio que os romanos apelidaram de “Lethes” – rio de esquecimento –. Depois de atingirmos o ponto mais elevado deste curto passeio, cerca dos 500 metros de altitude, iniciamos a descida, a qual nos levará até à velha casa de guarda-florestal, aí existente, hoje voltada para o abandono. Aqui, poderemos fazer uma pequena pausa para observar neste belíssimo espaço, vestígios arquitetónicos da ancestral atividade agro-silvo-pastoril – abrigos de gado de falsa cúpula – que existem abundantemente em todo o território de montanha do concelho de Arcos de Valdevez. Retomando o percurso, continuamos a descer por um caminho paralelo ao ribeiro de Laceiras, para pouco depois entrarmos na mancha florestal, onde abunda o pinheiro-bravo (Pinus pinaster) e o carvalho-roble (Quercus robur), constituindo uma mancha mista. Passado algum tempo, viramos à direita por um caminho descendente que nos levará à Branda de Ramil. As brandas de cultivo, como é o caso desta pequena e bucólica Branda, situam-se em cotas menores, em solos mais férteis e abundantes em água, que permitem o desenvolvimento de culturas agrícolas para alimentação humana e do gado. Vale a pena espreitar atentamente o tipo de construção das edificações, da pequena rede de caminhos e dos próprios muros, testemunhos da forma equilibrada e harmoniosa de como a montanha foi sendo ocupada. Após esta paragem para visitarmos a branda, continuamos o percurso e desembocamos num caminho florestal, para pouco depois virarmos à esquerda e seguirmos um caminho que nos levará, em escassos minutos, ao lugar onde teve inicio este trilho por Terras do Soajo.

• Não saia do percurso marcado e sinalizado.
• Preste atenção às marcações.
• Evite fazer ruídos e barulhos.
• Respeite a propriedade privada.
• Feche portões e cancelas.
• Não abandone o lixo, leve-o até ao respectivo local de recolha.
• Não incomode os animais. Cuidado com o gado.
• Não recolha plantas, animais ou rochas. Deixe a natureza intacta.
• Faça fogo apenas nos locais destinados para o efeito.
• Evite andar sozinho na montanha.
• Guarde o máximo cuidado nos dias de nevoeiro.
• Utilize sempre botas de montanha, impermeável e um chapéu.